Setembro 19, 2020

Login to your account

Username *
Password *
Remember Me

Create an account

Fields marked with an asterisk (*) are required.
Name *
Username *
Password *
Verify password *
Email *
Verify email *
Captcha *
Reload Captcha
Image
Image

Baixa oferta e alta demanda afetam preços dos painéis solares no mundo

By Ericka Araújo e Mateus Badra Julho 31, 2020

A alta na demanda global e a baixa na oferta da indústria de módulos fotovoltaicos devem impactar os preços destes produtos, projetando uma alta de 10 a 15% nas próximas semanas.

O crescimento na demanda tem sido impulsionado pelos mercados chinês e europeu, considerados os principais compradores do setor fotovoltaico. Após a retração provocada pela pandemia da Covid-19, a Europa está recobrando as atividades de forma gradual. Os projetos fotovoltaicos estão sendo retomados e os pedidos de compra de módulos voltaram a ser colocados.

Já o mercado chinês foi aquecido devido à alta na demanda da solução solar após o governo anunciar a eliminação dos FITs (Feed-In-Tariff), um dos principais estímulos para a energia fotovoltaica, a partir de 2021. 

A medida provocou uma corrida interna no país para conseguir o benefício ainda esse ano. A estimativa é que haja um aumento de 30 a 40 GW em projetos fotovoltaicos até o final de 2020.

Já com relação à queda da oferta, os principais fatores são as explosões na fábrica da GCL-Poly e o incêndio em duas caldeiras na fábrica Daqo, ambas localizadas em Xinjiang, na China.

Juntas, as duas produzem 155 mil MT (toneladas métricas) de polissilício (matéria prima para a célula fotovoltaica) por ano, o que corresponde cerca de 30% da produção total da China.

A previsão para a retomada da produção é de 60 a 90 dias. Este intervalo na produção deve prejudicar a entrega do material e contribuir para o aumento do preço dos módulos.

Outras fabricantes da matéria-prima, como a Tongue e East Hope Facilities, estão operando com 60% da capacidade após o governo chinês orientar inspeções em suas linhas de produção mais antigas, após os acidentes registrados na GLC e Daqo.

A escassez do polissilício deve impactar a produção de células poli e monocristalinas, impactando também seu preço no mercado.

Além disso, essa mesma província de Xinjiang, onde ficam as fábricas que produzem o material policristalino, está sendo considerada o novo foco da Covid-19 - com mais de 500 casos descobertos desde a metade de julho - causando problemas no transporte entre Xinjiang e os principais centros de produção de módulos fotovoltaicos.

Avalie este item
(1 Votar)
Última modificação em Quarta, 02 Setembro 2020 01:13
© 2019-2020 Canal Solar | www.canalsolar.com.br
Atendimento Whatsapp